Médicos cortam e costuram vaginas no parto e estragam a vida sexual das mulheres – uma mutilação genital, segundo especialistas

O corte abaixo da vagina veio sem aviso. A dor que invadiu o corpo de Cema Alves, que paria o segundo filho, era absurda. E, mal havia dado à luz, veio a fisgada da agulha. Sozinha na sala de parto, ela conta ter ouvido um diálogo entre uma enfermeira e o médico Humberto Keiji. “Ela perguntou: ‘Doutor, vai fazer o [ponto] do marido?’ Ele falou: ‘Vou fazer dois pra garantir’”, lembra.

O médico deu dois pontos além do necessário para fechar o corte feito na sua vagina. O resultado? A deixou “apertadinha” para aumentar o prazer de seu companheiro no sexo.

O corte abaixo da vagina durante o parto se chama episiotomia e serviria para evitar que a passagem da criança causasse um rasgo entre a vagina e o ânus. É uma prática corriqueira no Brasil, onde 53,5% dos partos normais são feitos com episiotomia.

Mas há três problemas com o corte: não há evidências científicas de que ele seja necessário, ele não pode ser feito sem autorização das mulheres e a costura em hipótese alguma deveria se estender além do necessário, muito menos com objetivo de apertar vaginas e satisfazer homens. É por causa desse hábito dos maus obstetras, a mais machista das formas de violência que uma mulher pode sofrer durante o parto, que a costura exagerada ganhou o apelido de “ponto do marido”.

Conversei com seis mães para esta reportagem. Todas tiveram suas vidas sexuais arruinadas pela dor e pela ardência que sentiam durante o sexo após a costura machista. A maioria passou meses tendo poucas relações, sempre dolorosas. Uma chegou a ficar mais de um ano sem transar com o marido.

Prática ultrapassada

O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde orientam que a episiotomia não deve ser prática de rotina. Neste ano, a OMS reconheceu que “não há nenhuma evidência que prove a necessidade da episiotomia em qualquer situação”. A organização ressaltou que a taxa do corte ainda é alta em países como o Brasil pela falta de acesso às novas pesquisas científicas sobre o assunto e pela relutância dos profissionais em abandonar o velho hábito – que eles acreditam facilitar o parto para eles e ser mais seguro e fácil de resolver do que um rasgo espontâneo. Mas desde os anos 90 – quando a OMS ainda recomendava que o corte fosse feito em até 10% dos casos – há médicos que classificam a prática como uma “verdadeira mutilação genital feminina”.

É o caso de Marsden Wagner, ex-diretor da área de Saúde da Mulher e da Criança da OMS, que assinou um texto na prestigiada revista científica The Lancet com o título “Episiotomy: a form of genital mutilation” (“Episiotomia: uma forma de mutilação genital”), publicado em 1999. Também é o caso da obstetra brasileira Melania Amorim, pós-doutora em Saúde Reprodutiva pela OMS. “Há evidências científicas sólidas, como as revisões periódicas da Biblioteca Cochrane, que mostram que a episiotomia não só não traz benefícios, como aumenta as chances de lacerações [rasgos] graves”, argumentou a médica.

‘Isso é rotina. Vai perguntar se faz ou não? Não é decisão dela.’

Humberto Keiji, o médico que fez a episiotomia em Cema Alves, afirmou não se lembrar do caso e disse não entender o que haveria de violento nele. Falou que, em 36 anos de carreira, nunca ouviu falar na expressão “ponto do marido”, mas não negou o corte. “Isso a gente faz para o bebê nascer, igual todo mundo”, me justificou em entrevista por telefone. “Isso é rotina. Vai perguntar se faz ou não? Não é decisão dela.”

O Conselho Federal de Medicina também é contra a episiotomia de rotina, por não haver “benefícios comprovados” na prática. Disse, no entanto, que “o médico tem autonomia para avaliar o uso de qualquer técnica em função de casos concretos”. O CFM – que é responsável ao mesmo tempo por “defender os interesses corporativos dos médicos” e por fiscalizar e punir esses profissionais – não respondeu o que pode acontecer com um médico que recorre à prática.

Procurada diversas vezes, a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia comunicou através de seu assessor Chico Damaso que não poderia se posicionar, pois seus membros haviam retornado de um congresso há poucos dias e estavam “priorizando atender ao paciente em vez de atender à imprensa.”

‘Sem autorização, o corte pode ser considerado lesão corporal.’

As diretrizes publicadas este ano pela OMS, porém, são claras: não há provas de que o corte seja necessário em qualquer circunstância, e ele só pode ser feito com permissão da mulher. O próprio Código de Ética Médica proíbe procedimentos cirúrgicos sem autorização, exceto para evitar risco de morte. “Nunca é o caso da episiotomia”, me disse a obstetra Melania Amorim. Ela afirma que a gestante tem direito de recusá-la a qualquer momento, embora o ideal seja registrar a negativa em um plano de parto.

Sem autorização, o corte pode ser considerado crime de lesão corporal e de constrangimento ilegal, uma violação do artigo 146 do Código Penal, de acordo com a procuradora da República Ana Previtalli e a advogada Priscila Cavalcanti, especialista em violência obstétrica. Como Amorim, as duas ressaltam que, segundo as evidências científicas, a episiotomia nunca é necessária para salvar a paciente de risco iminente. “De forma alguma ela pode ser feita contra a vontade da mulher”, resumiu a procuradora Ana Previtalli.

Não fosse a pergunta que ouviu da enfermeira, Cema Alves provavelmente nunca descobriria que levou o ponto do marido. A maioria das mulheres nunca descobre. As que já ouviram falar na prática só carregam a suspeita trazida pela dor agoniante e pelo sofrimento quando retomam o sexo.

No caso dela, a dor era também um sintoma. Os pontos infeccionaram, mas a equipe do Hospital Municipal Dr. Joaquim Brochado disse que ela estava sendo “fresca” e lhe deu alta. Uma semana depois, ela lembra que teve que voltar ao mesmo hospital, o único de Unaí, interior de Minas Gerais. Ficou internada por dez dias. “Eu queria processar todo mundo. Liguei várias vezes pedindo acesso ao meu histórico médico, mas eles enrolaram até dizerem que tinham perdido no processo de digitalização dos arquivos.”

Procurada, a direção do hospital afirmou que buscaria o prontuário de Alves para comentar o caso, mas não retornou nossos contatos até a publicação desta reportagem.

Pouco mais de um ano depois, a jovem de 23 anos engravidou novamente. Recém-divorciada, se mudou para Itatiba, interior de São Paulo, onde descobriu que uma parente militava no movimento contra a violência obstétrica e passou a se informar para o seu terceiro parto. Mas, em maio de 2011, a história se repetiu. Dessa vez, na Santa Casa de Misericórdia de Itatiba, nas mãos da médica Maria Clotilde Pavanelli, há anos chefe de obstetrícia no local. “Ela disse que ia me cortar e, antes que eu pudesse dizer não, ela já tinha enfiado a tesoura.”

‘Se botar a tesoura em mim, eu meto o pé na sua cara!’

Divorciada do pai do bebê, Alves havia avisado que não queria a presença do homem na sala do parto. Mas ele estava lá. “Ela [a médica] virou pra ele e falou: ‘Eu vou dar uma fechadinha a mais pra daqui a um mês e pouco vocês não ficarem sem brincar direito’”, me contou Alves. Daquela vez, ela sabia perfeitamente o que aquilo significava.

Alves afirma que entrou com uma ação de reparação por danos morais contra a médica em 2013, acusando-a de violência obstétrica e lesão corporal pelos abusos que conta ter sofrido no parto. Ela diz que o caso tramita em segredo de justiça.

Por azar, Pavanelli era a obstetra de plantão no dia em que seu quarto filho, fruto de um novo casamento, veio ao mundo. Alves me contou que foi maltratada. Ela diz que foi impedida de beber água, se mexer e tomar banho. Em pleno parto, ela teve que reunir forças para proteger seu corpo. Entre uma contração e outra, gritou: “Você não vai cortar nada! Se botar a tesoura em mim, eu meto o pé na sua cara!”. Com a ameaça, ela conseguiu evitar a terceira episiotomia. “Qualquer pessoa que não tivesse noção do que estava acontecendo ia ficar que nem eu há nove anos: doente e com dor.”

‘A episiotomia não só não traz benefícios como aumenta as chances de lacerações graves’.

Conversei por e-mail com Pavanelli, a médica de Alves. Ela negou as acusações e afirmou que a episiotomia foi necessária, porque visa a “evitar lesões” e “abreviar o parto” – ainda que, segundo ela, todo trabalho de parto de Alves tenha levado apenas meia hora.

“Sempre respeitei minhas pacientes e jamais teria esse palavreado chulo”, escreveu por e-mail, ressaltando que foi “pioneira num trabalho de humanização do parto”. Ela disse que em 2011 acompanhantes não eram permitidos (o que excluiria a possibilidade do ex-marido de Alves estar presente na sala de parto) e que nunca foi ameaçada de chutes por uma paciente. Por fim, Pavanelli argumentou que Alves “mente” porque “provavelmente” devia estar frustrada com seu parceiro na época e queria transferir para ela sua insatisfação com a vida amorosa.

A diretoria da Santa Casa preferiu não se manifestar.

Vagina P, M ou G?

Outra vítima do corte foi Gabriela Assunção*. Há nove anos, ela conta ter sido amarrada para ter seu primeiro filho, impedida de escolher a posição em que preferia parir e vítima de uma episiotomia surpresa. Dias depois, ela reencontrou o médico para o exame dos pontos. “Ele virou pro meu marido [em tom] de piadinha e disse: ‘Aí, deixei virgenzinha pra você de novo, hein?’”. Pasma, ela conta que pensou: “Quem pediu pra ficar virgem?”

O abuso que ela relata ter sofrido na Casa de Saúde Santa Terezinha, na zona norte da cidade do Rio, destruiu sua vida sexual. “Eu sentia uma dor horrorosa. Levou vários meses para que eu pudesse ter relações normalmente.” Mas, até então, ela não conseguia culpar seu médico pelo o que aconteceu. “Uma parte de mim continua não querendo acreditar que foi violência, mas que ele fez isso porque aprendeu assim.”

‘Se ela se sentiu violentada, cara, paciência.’

Foi só no final de uma nova gravidez, cinco anos depois, que Assunção se deu conta de que havia sofrido violência. Na Maternidade Perinatal de Laranjeiras, zona sul do Rio, ela passou por outra episiotomia. Dessa vez, afirma ter deixado bem claro: não autorizava o corte. “Eu achava que ele agia por hábito, mas que, se eu dissesse que não queria, ele ia respeitar. Obviamente, não foi o que aconteceu.”

Na costura, ainda ouviu o médico Silvio Alex perguntar ao seu marido: “Você quer tamanho P, M ou G?” Exausta e com o recém-nascido nos braços, ela só conseguiu responder: “Eu quero G”. O médico caiu na gargalhada.

Questionado por telefone sobre o que aconteceu, em um primeiro momento Silvio Alex aceitou comentar o caso. Minutos depois, ligou dizendo que não gostaria que sua fala fosse publicada, pois a entrevista teria sido apenas “uma conversa entre nós” para “enriquecer meu entendimento”. Então, pediu que eu enviasse por escrito minhas anotações da ligação – foi o que fiz. Entre elas, constavam as declarações: “Se ela se sentiu violentada, cara, paciência, eu não tenho o intuito de violentar ninguém”; “Com uma paciente, que não sabe discernir risco, acho que não cabe ser perguntada”; e “No que eu entendo de medicina, não acho coerente fazer um parto sem episio”.

Na resposta, ele não negou os comentários registrados no e-mail que enviei. O médico escreveu que “em 30 anos de profissão” nunca deixou de “proceder com o que se fazia necessário à preservação da saúde física das pacientes”. Depois, disse ter se sentido em um “programa sensacionalista desprovido de qualquer comprometimento com a verdade” durante nossa ligação. E, por isso, afirmou que se reservaria “o direito de responder somente a quem – minimamente – disponha o condão [capacidade] de entender suas declarações sob o prisma técnico na área de saúde”, o que ele “não crê que seja meu caso”.

Dias depois, ligamos de novo para Alex para que ele pudesse comentar as acusações da paciente e seus comentários na nossa primeira conversa. O médico se negou a falar mais uma vez.

A ideia de processar Alex passou pela cabeça de Assunção. Ela chegou até a consultar um advogado, mas desistiu. “Eu indicava o doutor Silvio para todo mundo. Fiquei preocupada de denunciar e prejudicar conhecidas que ainda se consultam com ele.”

Seja por apreensões parecidas, por não terem provas ou por não saberem que têm esse direito, essa é a decisão de muitas mulheres. Depois dos partos traumáticos, Assunção se formou doula – assistente que acompanha as mulheres durante a gravidez, o parto e os primeiros meses do bebê. Nos dois anos em que atua como voluntária, nunca viu ninguém denunciar esses casos.

A advogada Priscila Cavalcanti também não conhece processos ligados ao ponto do marido. “A questão é ter prova de que o médico falou disso”, explicou Cavalcanti. “Em geral, esse relato faz parte de uma violência mais ampla e tentamos pegar pelo que já sabemos que dá ganho de causa, como impedirem a mulher de ter um acompanhante na sala de parto.”

Cema Alves foi a única das seis mulheres com quem conversei que contou ter decidido processar sua médica.

Se os médicos dizem que apertar esse ponto é uma forma de aumentar o prazer, é certamente do prazer dos homens que eles estão falando, nunca o das mulheres.

*Nome trocado a pedido da mulher, para preservar sua identidade.

Fonte: https://theintercept.com/2018/09/10/pontodomarido/